“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

20/01/2018

Ela toda maresia

Bordado By Ada #coisasdeada Coisas de Ada

Tinha gosto de mar. 
Ela toda maresia. 
Era daqueles verões de tempo escaldante, 
onde a linha do horizonte se confundia entre começo e fim. 
Como ela que se abria em dores, em rancores, em mal humores.
Nem sempre fora assim. 
Teve um tempo de descobertas. 
Passou. 
Olhou em torno e tudo parecia ter gosto de fermento estragado, 
desses que não vão fazer crescer o pão por mais que se sove. 
Dias ruins estes de sentir o peso do mundo.
O corpo doía, a mente sofria. 
E ela se ria.
Maldito senso de humor! 
Devia ter nascido mais vitoriana. Menos barroca.
Que fosse, enfim. 
Urgia engolir aquelas lágrimas que teimavam em rolar. 
Gosto de sal. 
Menos mal que curtia salgados. 
Imagina se chorasse açúcar...
Pensou em abrir a caixinha nova de pilulas que fazem esquecer mazelas. 
Mas seu lado mais trágico largou o gesto na metade. 
Que fosse até o fim com tudo o que tinha que sair.
Que mergulhasse de vez no oceano que se abria, 
Que afundasse em águas, em sargaços, em conchas e pérolas. 
Que virasse sereia e voltasse ao útero de onde saem todas as mulheres. 
Que partisse. 
Vestiu sua fantasia de luxo. 
Nos olhos pura melancolia. 
Nos lábios um vermelho de corar satanazes. 
Nos pés a areia que machuca. 
Respirou fundo como fazia nos momentos solenes. 
Deixou que o vento percorresse seu corpo como se fosse aquele amor 
que demora e traz saudades. 
Ou como se fosse a vez primeira. 
Ergueu a cabeça e seus passos a guiaram para o mar. 
Ela pura maresia. 
Que houvesse então um tempo de sangria.
Que expurgasse sal, suor e solidão. 
Que irrompesse dela, de dentro dela, cores, cheiros, vontades e desejos. 
Que fosse.
Ela foi.
O mar gelado que era, acordou sua mente. 
Sentiu um raio que vibrava e acordava. 
A areia machucando menos. 
O abismo acolhendo. 
Ela desnascendo. 
O mar. 
Ela. 
O sol. 
A maresia.
Os pés machucados da areia corriam mais firmes. 
As asas cresciam em suas costas como anjos rebeldes 
que despertam de um sono milenar. 
Quanto mais ela afundava, mais alto voava.
Viu o escuro das entranhas. 
Viu o clarão da iluminação. 
Era duas. 
Era múltipla. 
Era toda maresia.

Elenara Stein

13/01/2018

Quero-quero vem me pegar!


Quero-quero como tem!
Por querer o tempo todo
me faz querer também...
Quero sol, quero chuva!

Tanto faz!
O importante é querer.
Cantando, vive querendo fazer a gente feliz
Canta de dia, canta de noite
Canta pro Sol, canta prá Lua
Tanto faz!
O importante é cantar!
Vive no chão, faz ninho, é tão bonitinho
Com seus cambitos corre da gente,
E corre atrás da gente!
Abre as asas e mostra sua força
Não pise no meu ninho!
Comigo é só carinho!
Faço amor mas por ele faço a guerra.
Quero-quero me faça querer bem.
Com o seu sempre querer,
Me faz querer também...

Ada

#coisasdeada

10/01/2018

Quebrei 18 ovos! E agora?

Derrubei uma cartela com 30 ovos e quebraram-se 18. O que fazer com tantos ovos? Mãos à obra fazer, com as gemas, um Creme de ovos à moda portuguesa e com as claras, um baita omelete. Aqui vão as receitas que, por sinal, ficaram muito saborosas! O creme ficou divino, lembrou o recheio do pastel de Belém! E o Omelete nutritivo com sabor de quero mais!

Creme de Ovos


Resultado do Creme de Ovos
Os ingredientes são simples: Para cada gema de ovo vai 1 colher de sopa de açúcar e 1 colher de sopa de água. Modo de fazer aqui:




Omelete à la Coisas de Ada


Ingredientes que usei para o omeletão
  1. As 18 claras foram bem batidas com aquela mola de bater claras, até fazer espuminha;
  2. Abobrinha ralada;
  3. Cebola ralada;
  4. Atum;
  5. Queijos fresco picadinho e parmesão ralado;
  6. Tomate sem sementes;
  7. Cheiro verde picadinho;
  8. Orégano;
  9. Manjericão fresco colhido da minha hortinha, bem picadinho;

Temperei com Sazon em pó sabor vegetais. Misturei tudo bem misturadinho e fritei numa frigideira bem grande bezuntada com azeite virgem. 

Gente! Que delicia!

DICA:
Recomendo não ralar a abobrinha, pois ela soltou muita água durante a fritura e tive que escorrer diversas vezes, então o omelete não ficou no formato de uma panqueca, acabou ficando “mexidinho”. Talvez usá-la em pedacinhos seja mais apropriado.


Lambendo os beiços!

04/01/2018

Mantecalos caseros de aceite de oliva

Eulógio, meu primo de 5º grau, filho de minha tia-avó Mercedes que mora em Málaga, Espanha, me envia uma receita semelhante ao Mantecal que nossas avós faziam pela época do Natal. Minha avó Angustia era irmã da avó dele Mercedes e fazia um Mantecal que ficou na memoria da infancia. Mais uma receita deliciosa para experimentar. Comprei os moldes para cortar os biscoitos e as netinhas vão gostar!

Forminhas para recortar massa de biscoitos
Mensagem de Eulogio: " Los mantecados, son unos dulces que se comen por Navidad y hay varias formas de hacerlos y con distintos ingredientes. Os pongo el enlace para los que se hacen también con aceite de oliva."

Os Ingredientes

250 grs. de farinha de confeitaria (trigo)
70 grs. de amêndoas moídas.
1 limão
sementes de gergelim.
1 colher de chá de canela em pó.
100 grs. açúcar de confeiteiro.
125 ml. de Azeite extra virgem.



08/12/2017

Bom papo

É muito bom ter alguém especial com quem conversar
Porque você conta para ele o drama que é sua vida
E ele retribui com dezenas de poemas que salvam você dela!
I Love Drummond